Loja Sétima Luz, nº 07, realiza tradicional Banquete Maçônico

Gestão do Venerável Mestre José Carlos Martins realiza segundo Banquete Ritualístico

 

Realizado no último dia 10/06, na Augusta e Respeitável Loja Simbólica “Sétima Luz” nº 07, na cidade de Santa Inês, o segundo Banquete Ritualístico na gestão do Venerável Mestre José Carlos Martins.

Na Maçonaria o costume da Loja de Mesa, muito chamado no Brasil de “Banquete Ritualístico”, é observado desde, pelo menos, o século XVII. Era realizado principalmente em observância aos dias dos Santos de nome João, ou seja, nos Solstícios.

Já no século XVIII, com o surgimento das primeiras Grandes Lojas, as Lojas de Mesa começaram a seguir regras rígidas, principalmente no tocante ao álcool. É claro que, para o cidadão do século XVIII e meados de XIX, isso foi um grande desestímulo.

Apesar dessa época de “lei seca”, quase reinante na Maçonaria do Século XVIII e que ainda persiste em muitos países, esse importante costume foi mantido e observado por diferentes Corpos Maçônicos. Um destaque é a Cerimônia de Endoenças do Capítulo Rosa-Cruz do Rito Escocês Antigo e Aceito.

Uma Loja de Mesa, ou seja, um Banquete Ritualístico possui ritualística própria, destacada por algumas características comuns: restrito a maçons; servido por Aprendizes; mesa em “U”; substituição dos nomes dos objetos e ações por outros; pelo menos 07 brindes, entre eles ao Presidente da República, ao Grão-Mestre ou dirigente da Potência, ao Venerável Mestre ou Presidente do Corpo que a realiza, a todos os maçons do mundo.

A Loja de Mesa é um excelente modo para uma Loja comemorar alguma data especial de maneira diferente. Seja com álcool ou não, defenda essa ideia.

 

    Publicado em 13/06/2016 - fonte: Djalma Sarmento, Mestre Maçom, A.´.R.´.L.´.S.. Sétima Luz, nº 07, GLEMA